X

NOTÍCIAS

Publicada em 21/06/2024 às 00:00 | Atualizada em 21/06/2024 às 16:10

Romero Ferro abre o coração ao falar de novo álbum e conta curiosidade sobre parceria com Fafá de Belém: Presentão

O disco conta com dez faixas novas e diversas colaborações

Brisa Sayuri Kunichiro

Divulgação

Romero Ferro não para de surpreender com seus lançamentos. Agora, o cantor conversou com o ESTRELANDO sobre o seu mais novo trabalho, o álbum Frevália, que tem como proposta atrair um público jovem e mostrar a importância de valorizar e apreciar a música tropical brasileira. Dessa vez, o cantor realizou diversas parcerias musicais, dentre elas Fafá de Belém, para trazer essa mistura entre o clássico e o moderno. 

Romero compartilhou um pouco do processo de criação do álbum e disse que foi um projeto criado em 2016 como um movimento cultural, que ele sempre quis realizar: 

O processo vem de muito tempo já, é um projeto que eu já queria realizar, mas não me sentia maduro ainda para fazer. No início do ano passado comecei a desenvolver o que seria esse álbum, e trouxe o produtor musical Luccas Maia para junto. A ideia sempre foi trazer o frevo para um diferente, explorar novos universos, deu muito certo!

O álbum também conta com releitura de alguns clássicos da música brasileira. Visto isso, o cantor explicou sobre sua escolha de canções: 

Eu queria trazer um pouco do clássico, misturando com o novo, trazendo uma roupagem contemporânea. Mexer com clássicos é caminho que precisa ser feito com cuidado, por que você está mexendo na história afetiva e emocional de toda uma geração. Mas o Frevália também tem esse papel, é um dos desafios, e eu sou movido a desafios.

Para ele, Frevália pode ser resumido em uma palavra: Mistura. 

É o Brasil olhando para dentro do Brasil, sem preconceito, sem elitismo, sem classismo. O frevo é muito democrático, e potente para se unir com qualquer ritmo!

Além disso, ele também abre o coração e fala sobre a importância da música brasileira para aproximação da sociedade com suas raízes e essência: 

As nossas raízes nos conectam com a nossa essência, a nossa ancestralidade. O frevo é clássico, mas ele é, além de tudo, extremamente popular. Faz parte da música pop pernambucana, faz parte do Brasil. É um ritmo potente, que hoje é muito subestimado por uma lógica de mercado que não faz sentido. O frevo faz quatro milhões de pessoas ferver no Galo da Madrugada, o maior bloco de rua, que acontece anualmente em Recife. Só quem viveu, sabe! O frevo tem que tocar o ano inteiro, e não ficar em uma prateleira sazonal. É um processo lento, mas é um início de uma construção!

Ainda sobre o álbum, Romero conta uma história interessante sobre os bastidores da música com a Fafá de Belém, Frevinho, que, segundo ele, foi um baita presente:

Acredita que eu e Fafá gravamos a nossa música no dia do meu aniversário? Vejam só que presente! Tentamos alinhar as nossas agendas em vários momentos, mas calhou de ser no dia 8 de abril, e melhor aniversário eu não poderia comemorar. Ganhei um presentão! O nosso encontro, e a nossa música ficou linda!


Romero finaliza falando sobre a importância da arte para a difusão da cultura brasileira: 

A arte sempre contribui para a valorização e a difusão da cultura brasileira, por que ela traz toda a criatividade e representatividade de um grupo, local, região... É muito importante fortalecermos essas diferentes identidades, elas nos tornam únicos, a nossa cultura única e universal. Através da música, da dança, do teatro, das artes plásticas, e tantas outras expressões, tudo isso é preservado, ressignificado, e repassado.

Sobre Romero Ferro 

Nascido em Pernambuco, no município de Garanhus, ele cresceu com muito contato com a diversidade cultural e, desde então, entendeu a riqueza das diferenças. Agora, o cantor de 33 anos de idade tem como objetivo unir a música pop com os ritmos tradicionais e tem feito isso com seus lançamentos. 

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Qual bebê você está mais ansioso para conhecer?

Obrigado! Seu voto foi enviado.

Romero Ferro abre o coração ao falar de novo álbum e conta curiosidade sobre parceria com Fafá de Belém: <i>Presentão</i>

Romero Ferro abre o coração ao falar de novo álbum e conta curiosidade sobre parceria com Fafá de Belém: Presentão

24/Jul/

Romero Ferro não para de surpreender com seus lançamentos. Agora, o cantor conversou com o ESTRELANDO sobre o seu mais novo trabalho, o álbum Frevália, que tem como proposta atrair um público jovem e mostrar a importância de valorizar e apreciar a música tropical brasileira. Dessa vez, o cantor realizou diversas parcerias musicais, dentre elas Fafá de Belém, para trazer essa mistura entre o clássico e o moderno. 

Romero compartilhou um pouco do processo de criação do álbum e disse que foi um projeto criado em 2016 como um movimento cultural, que ele sempre quis realizar: 

O processo vem de muito tempo já, é um projeto que eu já queria realizar, mas não me sentia maduro ainda para fazer. No início do ano passado comecei a desenvolver o que seria esse álbum, e trouxe o produtor musical Luccas Maia para junto. A ideia sempre foi trazer o frevo para um diferente, explorar novos universos, deu muito certo!

O álbum também conta com releitura de alguns clássicos da música brasileira. Visto isso, o cantor explicou sobre sua escolha de canções: 

Eu queria trazer um pouco do clássico, misturando com o novo, trazendo uma roupagem contemporânea. Mexer com clássicos é caminho que precisa ser feito com cuidado, por que você está mexendo na história afetiva e emocional de toda uma geração. Mas o Frevália também tem esse papel, é um dos desafios, e eu sou movido a desafios.

Para ele, Frevália pode ser resumido em uma palavra: Mistura. 

É o Brasil olhando para dentro do Brasil, sem preconceito, sem elitismo, sem classismo. O frevo é muito democrático, e potente para se unir com qualquer ritmo!

Além disso, ele também abre o coração e fala sobre a importância da música brasileira para aproximação da sociedade com suas raízes e essência: 

As nossas raízes nos conectam com a nossa essência, a nossa ancestralidade. O frevo é clássico, mas ele é, além de tudo, extremamente popular. Faz parte da música pop pernambucana, faz parte do Brasil. É um ritmo potente, que hoje é muito subestimado por uma lógica de mercado que não faz sentido. O frevo faz quatro milhões de pessoas ferver no Galo da Madrugada, o maior bloco de rua, que acontece anualmente em Recife. Só quem viveu, sabe! O frevo tem que tocar o ano inteiro, e não ficar em uma prateleira sazonal. É um processo lento, mas é um início de uma construção!

Ainda sobre o álbum, Romero conta uma história interessante sobre os bastidores da música com a Fafá de Belém, Frevinho, que, segundo ele, foi um baita presente:

Acredita que eu e Fafá gravamos a nossa música no dia do meu aniversário? Vejam só que presente! Tentamos alinhar as nossas agendas em vários momentos, mas calhou de ser no dia 8 de abril, e melhor aniversário eu não poderia comemorar. Ganhei um presentão! O nosso encontro, e a nossa música ficou linda!


Romero finaliza falando sobre a importância da arte para a difusão da cultura brasileira: 

A arte sempre contribui para a valorização e a difusão da cultura brasileira, por que ela traz toda a criatividade e representatividade de um grupo, local, região... É muito importante fortalecermos essas diferentes identidades, elas nos tornam únicos, a nossa cultura única e universal. Através da música, da dança, do teatro, das artes plásticas, e tantas outras expressões, tudo isso é preservado, ressignificado, e repassado.

Sobre Romero Ferro 

Nascido em Pernambuco, no município de Garanhus, ele cresceu com muito contato com a diversidade cultural e, desde então, entendeu a riqueza das diferenças. Agora, o cantor de 33 anos de idade tem como objetivo unir a música pop com os ritmos tradicionais e tem feito isso com seus lançamentos.