X

NOTÍCIAS

Publicada em 19/02/2021 às 16:00 | Atualizada em 19/02/2021 às 15:36

Aos 87 anos de idade, Eva Wilma desabafa sobre internação por pneumonia e morte: - Você tem consciência dela, a encara e vive com isso

A atriz veterana continua fazendo tratamento médico em casa

Da Redação

Divulgação-TV Globo

Eva Wilma passou por um grande susto recentemente. Aos 87 anos de idade, a atriz ficou três semanas internada por causa de uma pneumonia. Pior: a internação aconteceu em meio à pandemia do novo coronavírus. Apesar da delicadeza do caso, a veterana contou, em entrevista à revista Veja, que sempre acreditou que sairia do hospital.

- Vamos combinar que, depois dos 80, a ideia da morte não é algo estranho. Você tem consciência dela, a encara e vive com isso. Eu driblo o tempo com altas doses de otimismo e projetos, muitos projetos. Isso é vital. Sempre pensei: Vou sair desta cama.

Nesse meio tempo, Eva fazia testes frequentes para saber se tinha sido contaminada pela Covid-19.

Sabia que estava na zona de risco, ainda que todas as medidas preventivas tenham sido tomadas. A cada teste negativo, vinha o alívio. Durante minha adolescência, vi a II Guerra e agora, setenta anos depois, testemunho a pandemia, um inimigo invisível. Felizmente, já recebi a primeira dose da vacina.

Para a artista, inclusive, não foi difícil extrair forças para brigar pela vida.

Exercito a espiritualidade, especialmente em momentos difíceis. Não é uma questão de religião, mas de fé. Outro ponto essencial é ter objetivos. Queria muito voltar ao convívio da minha família, para minha casa, onde me sinto tão bem, e para o meu ofício. Fundamental mesmo é nunca perder o entusiasmo para seguir em frente.

Eva ainda diz que envelhecer, para ela, é refletir sobre uma nova fase da vida.

- Quando você passa dos 50, 60 anos, e chega ao que chamo de adolescência da envelhecência, já sabe o que está por vir. Alguns amigos se vão. Aparece um problema de saúde aqui, outro ali, e aí você precisa tentar relaxar, sem nutrir raiva e sempre alimentando a esperança. Reflito muito sobre a necessidade de aprender a conviver melhor com as perdas e as limitações, que são incontornáveis a essa altura. Agora, há, sim, vantagens na minha idade. Sinto que consigo amar mais as pessoas com todas as suas contradições e complexidades.

E mesmo com a opção de se aposentar, a atriz pretende continuar trabalhando.

Minha profissão é um propósito claríssimo de minha existência. Cantar, dançar, representar, isso ainda me desperta paixão, me dá um norte e me enche de vontade de viver.

Agora, a veterana continua cuidando da saúde para, futuramente, voltar a atuar.

Depois de receber alta, continuo com o tratamento em casa, tomando remédios e cuidando da alimentação. Mesmo com a vacina, sigo isolada, por precaução. Às vezes, vem um ou outro parente me visitar. Essa internação, na verdade, veio reforçar minha crença na vida e em mim mesma. Não vejo a hora de as cortinas se abrirem de novo e eu estar lá, em cima do palco.

Um exemplo de pessoa, não é?

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Assim como Poliana Rocha, você superaria uma traição?

Obrigado! Seu voto foi enviado.