X

NOTÍCIAS

Publicada em 09/05/2024 às 00:00 | Atualizada em 08/05/2024 às 15:28

Maria Fernanda Cândido estrela Vermelho Monet, filme que se perde na vontade incessante de ser cult

A produção de Halder Gomes mira na discussão sobre a arte e a transformação dela em mercadoria

Clara Rocha

Divulgação

Exibido em 15 festivais pelo Brasil e o mundo, Vermelho Monet, de Halder Gomes, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, dia 9. Mais conhecido por suas comédias, aqui o diretor cearense apresenta um drama marcado pela discussão sobre a arte e a transformação dela em mercadoria. O protagonista é (ou deveria ser) Johannes Van Almeida, interpretado por Chico Diaz, um pintor caracterizado como pouco aceito no mercado e que luta com os desafios de estar perdendo a visão. 

Logo no começo do longa, o artista encontra na atriz Florence Lizz (Samantha Müller) a inspiração para realizar o que seria sua maior obra até então. Maria Fernanda Cândido aparece na pele de Antoinette Lefèvre, uma marchand influente que tem o poder de transformar o quadro numa obra famosa e valiosa. Lado a lado pela maior parte da produção, Cândido e Müller dão vida a um relacionamento sem muito espaço para o amor, substituído por um grande jogo de poder e ganância. 

Mesmo com uma baita história em mãos, Halder Gomes parece se perder em uma overdose de elementos novelísticos e a vontade incessante de ser cult, estragando a experiência do filme. Com mais de duas horas de duração, aqui desnecessárias, Vermelho Monet traz uma discussão sobre a alta cultura que não parece ter um diálogo direto com o Brasil contemporâneo, afastando o telespectador.

O ponto positivo cai merecidamente nas mãos da fotografia de Carina Sanginitto e da direção de arte de Juliana Ribeiro. Ambas premiadas em festivais, e cujos trabalhos ajudam na evocação das cores e luzes de Monet, Sanginitto e Ribeiro levam o público para os raros pontos altos do filmeÉ de se destacar também o importante estudo de paletas e tons de pele, em especial a progressão da luz na tez de Florence Lizz que, aos olhos de Johannes Van Almeida, tem cor, do dessaturado ao preto e branco e da textura de mármore.

Definindo como uma grande história de amores desencontrados, intensos, tortuosos e trágicos, o cineasta tenta colocar as personagens em questões existenciais transpostas à arte, sendo ela a única e provável salvação de todos eles. Como o primeiro filme de uma planejada trilogia, qual o próximo deverá se chamar Azul Vermeer, é impossível não se questionar: vale a pena a continuação? 

O que fica dessa primeira tentativa é uma promessa de um drama intenso, mas que resulta em uma total perda em suas próprias ambições e expectativas. Vermelho Monet demonstra uma falha na compreensão do gênero que se insere, escorregando e dando de cara com uma cafonice não intencional. Saturado de frases de efeito que buscam profundidade, o longa acaba transformando o que poderia ser uma poderosa narrativa em um espetáculo pretensioso.

Lançado no Brasil pela Pandora FilmeVermelho Monet estará disponível nos cinemas a partir do dia 9 de maio de 2024. Abaixo, confira o trailer completo da trama:


Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Você acha que Bruna Biancardi e Neymar Jr. retomaram o relacionamento?

Obrigado! Seu voto foi enviado.

Maria Fernanda Cândido estrela <i>Vermelho Monet</i>, filme que se perde na vontade incessante de ser <i>cult</i>

Maria Fernanda Cândido estrela Vermelho Monet, filme que se perde na vontade incessante de ser cult

22/Jun/

Exibido em 15 festivais pelo Brasil e o mundo, Vermelho Monet, de Halder Gomes, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, dia 9. Mais conhecido por suas comédias, aqui o diretor cearense apresenta um drama marcado pela discussão sobre a arte e a transformação dela em mercadoria. O protagonista é (ou deveria ser) Johannes Van Almeida, interpretado por Chico Diaz, um pintor caracterizado como pouco aceito no mercado e que luta com os desafios de estar perdendo a visão. 

Logo no começo do longa, o artista encontra na atriz Florence Lizz (Samantha Müller) a inspiração para realizar o que seria sua maior obra até então. Maria Fernanda Cândido aparece na pele de Antoinette Lefèvre, uma marchand influente que tem o poder de transformar o quadro numa obra famosa e valiosa. Lado a lado pela maior parte da produção, Cândido e Müller dão vida a um relacionamento sem muito espaço para o amor, substituído por um grande jogo de poder e ganância. 

Mesmo com uma baita história em mãos, Halder Gomes parece se perder em uma overdose de elementos novelísticos e a vontade incessante de ser cult, estragando a experiência do filme. Com mais de duas horas de duração, aqui desnecessárias, Vermelho Monet traz uma discussão sobre a alta cultura que não parece ter um diálogo direto com o Brasil contemporâneo, afastando o telespectador.

O ponto positivo cai merecidamente nas mãos da fotografia de Carina Sanginitto e da direção de arte de Juliana Ribeiro. Ambas premiadas em festivais, e cujos trabalhos ajudam na evocação das cores e luzes de Monet, Sanginitto e Ribeiro levam o público para os raros pontos altos do filmeÉ de se destacar também o importante estudo de paletas e tons de pele, em especial a progressão da luz na tez de Florence Lizz que, aos olhos de Johannes Van Almeida, tem cor, do dessaturado ao preto e branco e da textura de mármore.

Definindo como uma grande história de amores desencontrados, intensos, tortuosos e trágicos, o cineasta tenta colocar as personagens em questões existenciais transpostas à arte, sendo ela a única e provável salvação de todos eles. Como o primeiro filme de uma planejada trilogia, qual o próximo deverá se chamar Azul Vermeer, é impossível não se questionar: vale a pena a continuação? 

O que fica dessa primeira tentativa é uma promessa de um drama intenso, mas que resulta em uma total perda em suas próprias ambições e expectativas. Vermelho Monet demonstra uma falha na compreensão do gênero que se insere, escorregando e dando de cara com uma cafonice não intencional. Saturado de frases de efeito que buscam profundidade, o longa acaba transformando o que poderia ser uma poderosa narrativa em um espetáculo pretensioso.

Lançado no Brasil pela Pandora FilmeVermelho Monet estará disponível nos cinemas a partir do dia 9 de maio de 2024. Abaixo, confira o trailer completo da trama: