X

NOTÍCIAS

Publicada em 29/05/2024 às 16:03 | Atualizada em 29/05/2024 às 16:03

Rodrigo Simas entrega qual foi a primeira vez que contou ser bissexual: Com o estômago meio nervosinho

O ator falou abertamente sobre a sexualidade

Da Redação

Divulgação

Em entrevista ao Sem Censura, Rodrigo Simas falou abertamente sobre a sexualidade e entregou qual foi a primeira vez que contou ser bissexual.

- Quando me perguntaram, eu estava no teatro, entrevista pelo telefone. Sabe quando você já tá com o estômago meio nervosinho? Eu questionava a sexualidade de Hamlet e ela [a repórter] me perguntou da minha vida. Eu sempre respondi da minha liberdade. Respondi que me identificava com a letra B do LGBTQIAPN+.

E continuou:

Acredito na minha liberdade. Ponto. De você ser o que é, sem rótulos. E é uma defesa também, pra não ter que me rotular. Ela gaguejou, ficou nervosa. Depois me agradeceu por falar disso com muita naturalidade. Para mim foi um [sensação de alívio]. Não mudou nada na minha vida mas ao mesmo tempo mudou porque cada vez eu me aproprio de mim. Meu artista está nascendo muito mais forte agora. Num lugar muito mais potente.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Você acha que agora Bruna Marquezine e João Guilherme assumiram o romance?

Obrigado! Seu voto foi enviado.

Rodrigo Simas entrega qual foi a primeira vez que contou ser bissexual: <I>Com o estômago meio nervosinho</i>

Rodrigo Simas entrega qual foi a primeira vez que contou ser bissexual: Com o estômago meio nervosinho

14/Jun/

Em entrevista ao Sem Censura, Rodrigo Simas falou abertamente sobre a sexualidade e entregou qual foi a primeira vez que contou ser bissexual.

- Quando me perguntaram, eu estava no teatro, entrevista pelo telefone. Sabe quando você já tá com o estômago meio nervosinho? Eu questionava a sexualidade de Hamlet e ela [a repórter] me perguntou da minha vida. Eu sempre respondi da minha liberdade. Respondi que me identificava com a letra B do LGBTQIAPN+.

E continuou:

Acredito na minha liberdade. Ponto. De você ser o que é, sem rótulos. E é uma defesa também, pra não ter que me rotular. Ela gaguejou, ficou nervosa. Depois me agradeceu por falar disso com muita naturalidade. Para mim foi um [sensação de alívio]. Não mudou nada na minha vida mas ao mesmo tempo mudou porque cada vez eu me aproprio de mim. Meu artista está nascendo muito mais forte agora. Num lugar muito mais potente.