X

NOTÍCIAS

Publicada em 13/06/2024 às 00:00 | Atualizada em 12/06/2024 às 16:48

20 anos após primeiro filme, Avassaladoras 2.0 aposta no público infanto-juvenil

O longa inova para trazer público de volta aos cinemas com duas influenciadoras digitais entre as personagens principais

Larissa Isabella

Divulgação

Mais de 20 anos após o primeiro filme, Avassaladoras 2.0 aposta em um dialogo direto com o público mais jovem. Contando a história e os dramas de Bebel, vivida por Fefe Schneider, a gravidade e consequências de suas ações tomam conta da trama. O ESTRELANDO já conferiu o longa e te conta o que esperar.

Falando sobre mentiras, romance, aparências e amizade, o longa-metragem demora a conquistar o espectador. Por mais que conte com um elenco carismático, a profundidade dos dramas, mesmo que focados no público infanto-juvenil algumas vezes parecem não combinar com a autonomia da protagonista. 

Ao mesmo tempo em que podem sair despretensiosamente pelo Rio de Janeiro, uma mentira se torna uma tempestade em copo de água na vida de Bebel. Com Bibi Tatto e Fefe como a dupla de amigas, o público consegue sentir uma boa desenvoltura e traz uma leveza ao filme. 

O destaque do longa fica com o núcleo adulto. Contando com nomes como Juliana Baroni, Danielle Winits, Guta Ruiz e Wellington Nogueira, a dinâmica faz o filme engrenar e arranca boas risadas dos espectadores. 

Por mais que Fefe e Murilo Bispo, vivam um par romântico com química, o jovem J-Crush, tem pouca participação no enredo. Geralmente ele só é mencionado no filme por conta de seu envolvimento com Bebel.

Mas para os jovens que estão passando pelos dilemas do primeiro amor e as furadas que podem se meter por conta das paixões, o filme pode trazer um apoio. Que as decisões tomadas por Bebel não são as melhores, ninguém discorda, mas observar a forma como o trio de amigas da mãe da jovem se resolvem é a melhor opção. 

O papel de Juliana Baroni na história precisa fazer uma grande revelação que ela guardou por muitos anos com medo de afetar as amigas. Diferentemente da filha adolescente, as consequências de seus atos são menores do que o esperado e tudo se resolve em uma tarde. 

Ficou curioso para saber sobre a história e os dramas de Bebel? O longa Avassaladoras 2.0 está em cartaz nos cinemas de todo o Brasil.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Qual dos últimos acontecimentos do mundo dos famosos mexeu mais com você?

Obrigado! Seu voto foi enviado.

20 anos após primeiro filme, <I>Avassaladoras 2.0</I> aposta no público infanto-juvenil

20 anos após primeiro filme, Avassaladoras 2.0 aposta no público infanto-juvenil

15/Jul/

Mais de 20 anos após o primeiro filme, Avassaladoras 2.0 aposta em um dialogo direto com o público mais jovem. Contando a história e os dramas de Bebel, vivida por Fefe Schneider, a gravidade e consequências de suas ações tomam conta da trama. O ESTRELANDO já conferiu o longa e te conta o que esperar.

Falando sobre mentiras, romance, aparências e amizade, o longa-metragem demora a conquistar o espectador. Por mais que conte com um elenco carismático, a profundidade dos dramas, mesmo que focados no público infanto-juvenil algumas vezes parecem não combinar com a autonomia da protagonista. 

Ao mesmo tempo em que podem sair despretensiosamente pelo Rio de Janeiro, uma mentira se torna uma tempestade em copo de água na vida de Bebel. Com Bibi Tatto e Fefe como a dupla de amigas, o público consegue sentir uma boa desenvoltura e traz uma leveza ao filme. 

O destaque do longa fica com o núcleo adulto. Contando com nomes como Juliana Baroni, Danielle Winits, Guta Ruiz e Wellington Nogueira, a dinâmica faz o filme engrenar e arranca boas risadas dos espectadores. 

Por mais que Fefe e Murilo Bispo, vivam um par romântico com química, o jovem J-Crush, tem pouca participação no enredo. Geralmente ele só é mencionado no filme por conta de seu envolvimento com Bebel.

Mas para os jovens que estão passando pelos dilemas do primeiro amor e as furadas que podem se meter por conta das paixões, o filme pode trazer um apoio. Que as decisões tomadas por Bebel não são as melhores, ninguém discorda, mas observar a forma como o trio de amigas da mãe da jovem se resolvem é a melhor opção. 

O papel de Juliana Baroni na história precisa fazer uma grande revelação que ela guardou por muitos anos com medo de afetar as amigas. Diferentemente da filha adolescente, as consequências de seus atos são menores do que o esperado e tudo se resolve em uma tarde. 

Ficou curioso para saber sobre a história e os dramas de Bebel? O longa Avassaladoras 2.0 está em cartaz nos cinemas de todo o Brasil.