X

NOTÍCIAS

Publicada em 05/12/2021 às 11:08 | Atualizada em 05/12/2021 às 11:46

Wanessa relembra aborto espontâneo e Zezé Di Camargo diz que batalha por filho com Graciele Lacerda

A cantora confirmou que sofreu aborto e diz que foi diagnosticada com Transtorno Obsessivo Compulsivo

Da Redação

Divulgação

Zezé Di Camargo e Wanessa estão mais unidos do que nunca. Pai e filha lançam em breve o primeiro álbum juntos e para a divulgação do projeto, os dois concederam entrevistas em que abriram o coração para falar sobre a vida em família.

Para Zeca Camargo, Zezé confessou que está batalhando para ter um filho com Graciele Lacerda.

- Eu estou batalhando pra isso. A gente está em um momento muito pleno da família, dos filhos e do convívio na minha fazenda. O tempo é o senhor de tudo, declarou ela.

Ao jornal Extra, Zezé deu detalhes sobre o tratamento de fertilidade que Graciele, aos 41 anos de idade, está encarando. Ele por sua vez precisou reverter o processo da vasectomia.

Já Wanessa comentou sobre o pai planejar mais um filho. Além dela, Zezé ainda é pai de Camila e Igor.

- Eu vou ser a irmã-titia, né? Já tenho primos mais novinhos, filhos da Luciele e do Luciano, que me chamam de Tia Wanessa. Eu digo: “Cacilda, eu sou sua prima, e não tia!” (risos). Imagina como vai ser com esse irmão ou irmã bebê.., disse ela, achando graça e deixando claro que sua relação com Graciele vai bem.

A cantora, por sua vez, admitiu que sofreu um aborto espontâneo neste ano, após a morte do avô Francisco.

- Assim que eu soube que estava grávida (pela terceira vez), meu vô Francisco morreu (em 23 de novembro do ano passado). Esperei para contar à família uma semana depois, e em poucos dias eu perdi o bebê. Era uma menina, eu estava com sete semanas de gestação e foi bem traumático... Em abril, a Covid levou o Agui (Aguiberto Santos, ex-assessor artístico da família Camargo), que eu considerava como um segundo pai. Em agosto, perdi meu outro vô. E ainda teve a morte da Marília (Mendonça), agora em novembro. Foi muita dor encadeada para eu lidar, disse ao Extra.

Com tanto para lidar, Wanessa voltou a sofrer com as crises de pânico, que só foram vistas por Zezé agora, durante uma gravação deles. A cantora já lida com elas há mais de 18 anos, mas desta vez só contou com o apoio de pessoas próximas para encarar o transtorno:

- A pandemia pausou nosso trabalho e nos reaproximou. Com certeza, esse foi o período em que eu e meu pai mais convivemos nos últimos anos. E assim eu descobri o Zezé em mim. Traços que eu achava que eram da minha personalidade, do meu jeito de ser, enxerguei também nele. Até coisas que eu criticava no meu pai , percebi que faço igual! Ele é prolixo como eu, disperso, tem dificuldade em lidar com conflitos. E só não tem o pânico, mas também é hipocondríaco. Se tem um machucadinho na perna, já quer fazer mil exames. Desta vez, eu não tive o auxílio de remédios, embora as terapeutas tivessem recomendado. Contei com o apoio de amigos, inclusive do meio artístico, que enfrentam o mesmo. Só quem passa por esse processo sabe o desespero, o inferno que é sentir isso: a dormência nas pernas, o aperto no peito, a falta de ar, a tremedeira... Não tenho diagnóstico de depressão, o meu caso é Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Fico em constante vigilância quando um gatilho surge.

Zezé também enfrenta um ano difícil com a perda do pai:

- Em toda a minha vida, eu passei por três momentos dificílimos: o primeiro foi a morte do meu irmão Emival (sua primeira dupla musical foi vítima de um acidente de carro em 1975); o outro foi o sequestro do meu irmão Wellington (em dezembro de 1998); e o mais recente foi a perda do meu pai. Essa, a minha maior tristeza, da qual eu até agora eu não me restabeleci.  Meu pai era um cara especial, singular, muito à frente de sua época, o único alfabetizado de sua família. Homem rigoroso, meu avô o obrigava a ficar trabalhando na roça até o fim da noite, já que ele passava a manhã estudando. Meu pai fundou uma escola lá na nossa região de Goiás, construiu carteiras pra gente se sentar e escrever. O projeto de Francisco não era ter filhos formando uma dupla sertaneja, mas ter filhos maiores que ele na vida.

Mas após o momento difícil, ele afirma que nunca esteve tão ligado à família:

- Família é o meu bem mais precioso. Tem gente que me critica dizendo que eu destruí a minha quando me separei (de Zilu, em 2012). Eu não admito, é exatamente o contrário. Afirmo que nunca estive tão próximo dos meus filhos quanto tenho estado ultimamente. Hoje, somos mais unidos do que nunca.

E ainda esclarece os rumores de que não mantém boa relação com sua dupla, o irmão Luciano, e a ausência dele na série É o amor: Família Camargo.

- As pessoas têm perguntado por que Luciano não está nesse trabalho. Não só ele, outros parentes não puderam ou não quiseram participar. Não quero que fantasiem a história de que eu joguei meu irmão para escanteio, não é nada disso. Paralelamente à nossa dupla, ele tem um projeto solo gospel; eu também tenho o meu, Rústico. Este agora, especificamente, é voltado para a minha relação com a minha filha. Minha história com Luciano já foi detalhada no filme Dois filhos de Francisco, mas pouca gente conhece o Zezé pai, o encontro do meu mundo com o da Wanessa. 


E eles ainda são pais de Maria Eduarda e Davi, grandes paixões do casal, como não poderia deixar de ser.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Qual término (até agora) do mês de maio te chocou mais?

Obrigado! Seu voto foi enviado.