X

NOTÍCIAS

Publicada em 01/07/2021 às 23:05 | Atualizada em 01/07/2021 às 16:44

Juliana Didone reflete sobre apresentação no Super Dança dos Famosos: - Qual impacto a gente vai causar nas pessoas?

Atriz está na repescagem da competição apresentada por Tiago Leifert

Guta Valente

Divulgação

O ganhador do Super Dança dos Famosos de 2021 pode entrar pra história do reality show, afinal, é a última edição da competição, já que o Domingão chegou ao fim, além é, claro, de ser uma baita disputa entre os grandes nomes que passaram pelo quadro ao longo de todos os anos em que o quadro esteve no ar. Juliana Didone, no entanto, parece não estar tão preocupada com a competição, revelando que está mais focada em vivenciar e curtir a experiência de fazer parte dessa grande celebração. Em bate-papo com o ESTRELANDO, a atriz, que está na fase de repescagem, falou sobre como tem se sentido ao voltar para a dança após 15 anos - ela ganhou a temporada de 2006, quando Dança ainda estava se firmando nas telinhas de domingo.

- São vários fatores que deixam a emoção à flor da pele. Está sendo muito emocionante, um misto de sensações...de medo, de euforia, de querer dar o melhor para fazer uma boa apresentação e que as pessoas se identifiquem, disse ela.

A atriz, que é parceira de Igor Maximiliano, afirmou que mais do que entreter o público com o show da dança, quer mostrar também que, em tempos de pandemia, todos podem se mexer dentro de casa:

- Mesmo não sendo profissional e tendo limitações, a gente está ali disponível para mostrar que todo mundo pode dançar, que o nosso corpo é livre. Nesse momento que a gente está vivendo, tão em casa e há tanto tempo, a gente ainda está com medo, então por que não fazer um show dentro de casa? Eu quero mostrar ali que a gente pode dançar e se jogar, seja no palco ou em casa. A dança é a forma mais completa de expressão do corpo e ao mesmo tempo a gente precisa que o corpo se expresse além da nossa mente. A gente ficou nessa pandemia muito focado no mental, é preciso sair um pouco do mental e ir para o corpo é uma forma de cura! Curar um estress, irritação, uma saudade, uma tristeza...

Ela, que não dançava há anos, afirma que além da preparação corporal que é necessária para a apresentação, é preciso que a mente esteja em dia para encarar o desafio:

- Deu muito nervoso, muito frio na barriga! Até falei um pouquinho com os participantes, é um desafio da mente. Eu falei pro Fausto no palco, a gente tem o primeiro desafio que é o do corpo, a preparação, a resistência, o fôlego, estamos ali lutando todo dia. Essa percepção de dois minutos modificou dançando, como a gente pode ser tão produtivo em tão pouco tempo, precisa ser impecável.

Didone ainda refletiu que, apesar do risco de ser eliminada pois tem apenas uma única apresentação para se manter no jogo, a ideia de impactar as pessoas com sua performance no palco lhe desperta mais a atenção:

- Deixa tudo ainda mais apimentado. Agora é tudo ou nada de verdade. É mata mata, mas agora é tudo ou nada mesmo! Dá um nervoso a mais, mas também dá um foco. Eu tenho uma personalidade de viver, de sentir...eu gosto dessa coisa da ousadia, de arriscar. Agora a gente trabalha com o risco. Além da competição, é um show, então é isso que eu e o Igor, meu parceiro, temos pensado, em como emocionar as pessoas. Posso ter a finalização ótima e tudo perfeito, mas qual impacto que a gente vai causar nas pessoas?

Para que tudo fique impecável, ela realizou alguns ensaios a parte e tudo foi mostrado nas redes sociais, onde apareceu animada ao mostrar os benefícios que a dança tem lhe trazido no momento em que é preciso estar em casa em isolamento:

- Eu tenho feito ensaios por fora e mostrado até para incentivar as pessoas, dá para dançar em casa! Tem muitas aulas na internet que dá para fazer também! Eu adoro trabalhar meu corpo, mas não tenho disciplina de academia, puxar peso jamais, mas vendo que a idade vai chegando, eu vejo que a dança fortalece tudo. É um lance que você trabalha seu corpo, mas numa camada mais sutil porque atinge a felicidade!

Sobre o que tem feito além de dançar para manter um estilo de vida saudável durante a quarentena, ela explica:

- Eu acho que a gente tem muita cobrança de que tem que fazer alguma coisa e isso gera uma ansiedade maior ainda no que a gente tá sentindo. As vezes você nem curte o que te indicaram, então a gente precisa se conectar com a gente mesmo. É difícil olhar pra dentro, mas é preciso encontrar sua verdade, ver o que gosta. Eu fico trocando, cada dia eu acordo de um jeito. Às vezes eu pulo corda, mas tem dia que eu só quero alongar, fazer ioga e agora a dança. Eu fiz uma aula de funcional, de alta intensidade, quase morri. Nunca mais fiz! Não é minha praia, sabe? Às vezes a gente embarca no barato do outro, mas tem que encontrar o próprio barato. Mas você criar ferramentas e possibilidades dentro do próprio dia, essa coisa do suar e endorfina ajuda!

Enquanto surgem rumores de outros participantes que estão encarando a competição com sangue nos olhos, Juliana acha cada dupla tem seu lugar no palco e não está preocupada em quem vai encarar no desafio: 

- Eu não estou pensando em quem eu vou encontrar, porque todo mundo tem qualidades diferentes das minhas. Não tem ninguém parecido comigo, acho que cada um tem um lugar, um charme, um jeito. O que eu mais tenho pensado é encontrar meu jeito, deixar ele confortável, orgânico. Eu tenho pensado em dar meu melhor. Eu tenho visto muitos vídeos, muita referência, muita Lady Gaga, Madonna, Pina Bausch...

Maternidade

Juliana também falou sobre o fato de ter que ficar longe da filha enquanto se prepara para a apresentação - ela ficará uma semana em um hotel em São Paulo antes da gravação do programa. Liz, que tem apenas três anos de idade, ficará com o pai, o artista plástico Flávio Rossi. Apesar da saudade, a atriz só vê razões positivas para a distância momentânea:

- Eu já estou preparando minha cabeça! Fico com muita saudade dela! Eu amo poder me debruçar sobre um trabalho que me dá tanto prazer. É uma semana, mas é só uma!! Tem tantas dificuldades maiores às vezes, eu me coloco no lugar do outro. É só por motivo bom. Ela vai estar com o pai, está tudo ótimo. É uma oportunidade de estarem juntos, ela ama ficar com o pai. É por um motivo bom, trabalhando num lugar que me dá tesão. Então poder ter um trabalho, que é uma homenagem pra todos os colegas que participaram do dança, é muito legal. É bonito ver todo o show em torno disso, é um privilégio.

Ela e o pai de Liz, Fábio, se separaram há quase dois anos. Sobre como conciliar a criação da filha, Didone é sincera e afirma que a pequena passa mais tempo com ela, mas que ambos conseguem compartilhar da convivência com a garotinha.

- Temos dividido, mas mais comigo né? (risos) Ela também estuda aqui, já está indo na escolinha. Em março a gente decidiu colocar ela, com todos os protocolos de segurança. Achei importante, que depois de um ano sem socializar, colocar. Esse não é o maior risco.

Questionada se se considera uma mãe solo, por passar mais tempo na criação de Liz, Didone pondera:

- Esse termo está sendo muito usado e acho delicado. Muitas mães quando se separam, dependendo de qual a logística que a família vai ter, essa criança vai ficar mais com um ou com outro. Mas tudo é tão cíclico também. Diante da vida de uma criança, de um filho, que é pra sempre tantas coisas podem acontecer, que acho que a Liz fica a maior parte do tempo comigo sim, mas não me considero mãe solo. O Fábio participa de tudo, claro que as vezes fico mais cansada, criança full-time é cansativo, mas a gente sempre se comunica. A comunicação flui. A minha mãe foi solo, então eu entendo que por mais que ele não participe igualmente, eu não sou mãe solo. Ele participa de coisas importantes e etc.

Relacionamento

Ela também abriu o jogo sobre o namoro com o empresário Santiago Bebianno, revelado no Dia dos Namorados deste ano. Sem entrar em detalhes, a atriz entregou que é o primeiro relacionamento sério desde a separação e que Liz já até conhece o rapaz:

- Tô feliz! Acho que desde que me separei, há mais de dois anos, é a primeira pessoa que eu concretizei uma história. Até pelo fato de publicar no Instagram,  só o fato de expor pra quem me segue, é uma coisa que concretiza a certeza do sentimento. E ele é uma pessoa muito legal, é um cara leve, que me traz leveza e felicidade, carinho e amor. Então está tudo certo. Ele já conhece a Liz. Ela está entendendo as formas de relação que são cada vez mais comuns. Tem sido tudo com muito cuidado, então acho que com honestidade, clareza, cuidado e tempo, tudo se ajeita.

Próximos projetos

Além do Dança, Juliana revela que tem projetos engatilhados até o fim do ano, embora não possa entrar em detalhes. Ela também aguarda a liberação do filme O Amor dá Voltas, que protagonizou ao lado de Cleo e Igor Angelkorte. 

O longa dirigido por Marcos Bernstrein conta a história dos encontros e desencontros amorosos de André, personagem de Igor, um médico que, após de mais de um ano cuidando de doentes na África, retorna ao Brasil e descobre que havia trocado cartas de amor não com sua namorada de longa data, Beta, personagem de Didone, mas com a irmã da moça, Dani, vivida por Cleo. A produção, com roteiro de Bernstrein tem lançamento previsto ainda para este ano pela Imagem Filmes.

- Esse filme eu já fiz tem uns quatro anos. Foi muito legal, o filme é lindo. Eu estava com a Liz, bebezinha, quando vi, já tem tempo. (...) Tem outras coisas engatilhadas, mas nada confirmado. Tem coisa boa para acontecer ano que vem ou final desse ano!, finalizou. 

A seguir, confira os momentos mais fofos da atriz Juliana Didone com sua filha, Liz


E quando as duas dormem juntinhas na redes? Realmente, um flagra do amor, como a própria atriz escreveu.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

O que você achou da possível nova traição de Arthur Aguiar?

Obrigado! Seu voto foi enviado.