X

NOTÍCIAS

Publicada em 23/03/2018 às 00:05 | Atualizada em 22/03/2018 às 19:46

José Padilha entrega o que você vai encontrar em O Mecanismo: - O herói da série é a história

A nova série da Netflix é uma criação do cineasta e de Elena Soarez - e conta a história da Lava Jato

Lygia Haydée

Divulgação

Sabe aquela máxima de que toda história tem um protagonista, que na maioria das vezes é um  herói? Ou então aquela certeza de que sempre é preciso ter o bonzinho e o mau da narrativa contada?  Em O Mecanismo, nova série da Netflix que estreia nesta sexta-feira, dia 23, não é bem isso que acontece. 

Retratando a Lava Jato, José Padilha e Elena Soarez armaram uma produção que traz como herói algo que não é comum ver em séries: a própria história. Em conversa com jornalistas no Rio de Janeiro durante coletiva de imprensa feita para apresentar a série, o cineasta explicou o porquê de essa trama não contar com um ou outro protagonista:

- Neste trabalho o herói da série é a história, não é a câmera, prefere deixar bem claro.

Isso porque nas suas produções anteriores - e de grande sucesso -, como Tropa de Elite, Narcos e Ônibus 174, sempre havia alguém que ganhava destaque e tomava para si o protagonismo do enredo. 

Com o seriado que agora está disponível no serviço de streaming é diferente: em cada momento, um personagem assume a liderança da história contada, mostrando as diversas facetas que a lavagem de dinheiro têm no país. 

É claro que Selton Mello, que dá vida ao Marco Ruffo, tem presença garantida nessa primeira temporada, que conta com reviravoltas surpreendentes. Mas isso não significa que seu personagem leva a trama sozinho nas costas. Caroline Abras, por exemplo, interpreta a policial Verena Cardoni, que também passa a ter grande importância para a produção com o passar dos episódios. 

Isso faz, também, com que nenhum caso seja levado a ferro e fogo dentro da trama, fato que é importante para Padilha, visto que estamos em ano eleitoral.

- Trago um ponto de vista que tira da mesa esse Fla-Flu ideológico no qual a gente vive. Repito cem milhões de vezes: para mim é uma besteira sem par essa discussão dos formadores de opinião. Porque os fatos são bem claros. Como vou defender qualquer um desses grupos? Só se eu for maluco , esclareceu o cineasta ao ser questionado sobre a possibilidade de a obra de ficção baseada em fatos reais ter alguma influência na hora do voto.

E não é só isso: ele ainda defende que as investigações continuem para que o desenrolar da história seja cada vez melhor:

- Uma coisa eu posso garantir: os políticos dos quais falamos vão assistir à essa primeira temporada em casa. Eu ainda não posso dizer se terá mais temporadas (apesar de já ser algo certo entre o elenco e a produção), mas, se tiver, eu não sei de onde eles vão ver.

História universal

A nova série será disponibilizada pela Netflix para 190 países. Isso causou estranheza para você, pensando que muitas pessoas podem não se identificar com a história regional contada por Padilha? Segundo ele, muitas delas, que acompanharam os trailers divulgados pela plataforma, já revelaram o oposto:

- Apesar de contar a história da corrupção no Brasil, muitos países também vivem essa situação. Principalmente naqueles da América Latina. Teve gente, até, que pediu para que nas futuras temporadas eu também conte o sistema de corrupção de seus países, revelou aos risos. 

Isso porque, como ele mesmo explica, o tal mecanismo que dá nome ao seriado é algo geral, ponto que até já foi comparado ao tal sistema que ele tanto critica em Tropa de Elite:

- Na verdade, o sistema é uma coisa localizada da política. Já o mecanismo é geral. A corrupção estrutura a política, e ela é enorme. Se você for pensar, o mecanismo é o responsável por todas as mazelas do nosso país. E ele não tem partido. Se manifesta tanto nos países de direita, quanto nos de esquerda.

E você, o que pensa dessa história que passa a ser contada agora? Ficou curioso para saber o que deve vir por aí? Confira, então, no ranking a baixo, os dez motivos selecionados pelo elenco da produção que devem fazer com que você assista ao seriado:

Elenco de peso
Olhe para essa foto. Tem um nome mais forte do que o outro, não? Pois esse elenco renomado está entre os motivos que devem fazer com que você assista à produção. Emilio Orciollo Netto falou sobre isso: - A qualidade dos profissionais envolvidos é fora de série. É uma equipe muito gabaritada. Tem um pessoal de cinema que está há muitos anos na estrada e que têm uma pegada que é um pé na porta. Maria Ribeiro, por exemplo, aparece pouco na primeira temporada, mas deve crescer na segunda, que ainda não foi anunciada oficialmente pela Netflix, mas já é tida como certa entre o elenco. Ela também falou ao ESTRELANDO sobre a obra: - Espero que as pessoas vejam uma série, sem associar nada político. Tem que ser apartidário. Senão é menos legal e diminui algo tão importante.A gente vê ali situações que estão tão naturalizadas e que você nem se dá conta.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

De que lado você está na briga entre Zezé Di Camargo e Zilu Camargo?

Obrigado! Seu voto foi enviado.