X

NOTÍCIAS

Publicada em 09/08/2019 às 14:02 | Atualizada em 02/02/2020 às 10:22

Bárbara Paz fala sobre luto após morte do marido: - Já perdi quase todo mundo na minha vida

A atriz foi casada com Hector Babenco, que morreu em 2016

Da Redação

Divulgação

Bárbara Paz fez sua estreia como diretora e produtora ao lançar o filme Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou, que conta a história do cineasta Hector Babenco, que morreu em 2016 e com quem a atriz foi casada desde 2010. Em entrevista à revista 29 Horas, Bárbara também falou sobre o livro de poemas e conversas, Mr. Babenco - Solilóquio a dois sem um, que teve com o marido. Trabalhar com essas memórias, inclusive, não foi fácil para a artista.

Difícil, mas a palavra luto para mim também é luta. Eu já perdi quase todo mundo na minha vida. Perdi meu pai aos seis anos, minha mãe, quando tinha 17. Muito cedo aprendi a lidar com isso. Com o tempo a gente vai evoluindo. O tempo traz essa maturidade, a conscientização do que é a morte. E foi muito bom fazer o filme e o livro, dois projetos de amor. O que você faz depois que amou uma pessoa, com quem dividiu a vida, e fica sem essa outra parte?

Bárbara ainda falou de como surgiu a ideia para fazer o filme e o livro.

- Tudo começou lá atrás, há muitos anos. Acho que o Hector sentiu uma urgência de falar, pois vinha sofrendo com o câncer desde que tinha 38 anos. Quando ele fez O Beijo da Mulher Aranha (1985), já havia descoberto a doença. Quando estava doente ele fez vários filmes, como Brincando nos Campos do Senhor (1991), na Amazônia, e ninguém sabia disso. Foi sempre tratado pelo Drauzio Varella e aos 50 anos se submeteu ao transplante de medula óssea que ele retrata no filme Meu Amigo Hindu (2015). O livro é parte de tudo o que a gente gravou para o filme juntos, das nossas conversas. Depois que ele partiu, eu comecei a organizar as conversas e achar lindo aquilo escrito. Ele partiu no momento em que a gente estava corrigindo essa letra. É o Solilóquio a Dois sem Um. O Hector já estava na morfina e ainda corrigiu 40% dos poemas que a gente escolheu para publicar: escritos que eu descobri numa caixa que ele guardava desde a adolescência. A criação o mantinha vivo.

Nostálgica, a atriz relembrou a sua experiência no reality Casa dos Artistas, no SBT, em 2001.

- Eu já tinha uma carreira de teatro quando participei desse reality, no SBT, mas foi nele que eu me tornei uma pessoa pública. Foi uma estrada muito diferente e que me deu coisas boas. Essa casa aqui é a Casa dos Artistas: eu comprei com o dinheiro que ganhei. Por outro lado, ficou muito difícil desconstruir a imagem da Bárbara que apareceu para o grande público. Mas aos poucos eu consegui mostrar que era uma atriz. Para eu voltar a ter credibilidade depois de uma experiência muito popular, com muita audiência, eu retornei ao teatro fazendo Oscar Wilde durante três anos. Essa escolha me salvou como atriz.

A seguir, relembre como foi o lançamento do livro Mr. Babenco - Solilóquio a dois sem um:


A pequena, que é fruto do relacionamento do ator com Isabel Nascimento Silva, roubou a cena. Muito fofinha, não é mesmo?

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Qual casal do mundo dos famosos está mais apaixonado atualmente?

Obrigado! Seu voto foi enviado.

Bárbara Paz fala sobre luto após morte do marido: <I>- Já perdi quase todo mundo na minha vida</I>

Bárbara Paz fala sobre luto após morte do marido: - Já perdi quase todo mundo na minha vida

A atriz foi casada com Hector Babenco, que morreu em 2016

09/Ago/2019

Da Redação

Bárbara Paz fez sua estreia como diretora e produtora ao lançar o filme Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou, que conta a história do cineasta Hector Babenco, que morreu em 2016 e com quem a atriz foi casada desde 2010. Em entrevista à revista 29 Horas, Bárbara também falou sobre o livro de poemas e conversas, Mr. Babenco - Solilóquio a dois sem um, que teve com o marido. Trabalhar com essas memórias, inclusive, não foi fácil para a artista.

Difícil, mas a palavra luto para mim também é luta. Eu já perdi quase todo mundo na minha vida. Perdi meu pai aos seis anos, minha mãe, quando tinha 17. Muito cedo aprendi a lidar com isso. Com o tempo a gente vai evoluindo. O tempo traz essa maturidade, a conscientização do que é a morte. E foi muito bom fazer o filme e o livro, dois projetos de amor. O que você faz depois que amou uma pessoa, com quem dividiu a vida, e fica sem essa outra parte?

Bárbara ainda falou de como surgiu a ideia para fazer o filme e o livro.

- Tudo começou lá atrás, há muitos anos. Acho que o Hector sentiu uma urgência de falar, pois vinha sofrendo com o câncer desde que tinha 38 anos. Quando ele fez O Beijo da Mulher Aranha (1985), já havia descoberto a doença. Quando estava doente ele fez vários filmes, como Brincando nos Campos do Senhor (1991), na Amazônia, e ninguém sabia disso. Foi sempre tratado pelo Drauzio Varella e aos 50 anos se submeteu ao transplante de medula óssea que ele retrata no filme Meu Amigo Hindu (2015). O livro é parte de tudo o que a gente gravou para o filme juntos, das nossas conversas. Depois que ele partiu, eu comecei a organizar as conversas e achar lindo aquilo escrito. Ele partiu no momento em que a gente estava corrigindo essa letra. É o Solilóquio a Dois sem Um. O Hector já estava na morfina e ainda corrigiu 40% dos poemas que a gente escolheu para publicar: escritos que eu descobri numa caixa que ele guardava desde a adolescência. A criação o mantinha vivo.

Nostálgica, a atriz relembrou a sua experiência no reality Casa dos Artistas, no SBT, em 2001.

- Eu já tinha uma carreira de teatro quando participei desse reality, no SBT, mas foi nele que eu me tornei uma pessoa pública. Foi uma estrada muito diferente e que me deu coisas boas. Essa casa aqui é a Casa dos Artistas: eu comprei com o dinheiro que ganhei. Por outro lado, ficou muito difícil desconstruir a imagem da Bárbara que apareceu para o grande público. Mas aos poucos eu consegui mostrar que era uma atriz. Para eu voltar a ter credibilidade depois de uma experiência muito popular, com muita audiência, eu retornei ao teatro fazendo Oscar Wilde durante três anos. Essa escolha me salvou como atriz.

A seguir, relembre como foi o lançamento do livro Mr. Babenco - Solilóquio a dois sem um: