X

NOTÍCIAS

Publicada em 25/05/2020 às 12:00 | Atualizada em 25/05/2020 às 12:05

Laura Neiva faz relato sobre quando descobriu que tinha epilepsia: - Eu por muito tempo tinha vergonha

A atriz de 26 anos de idade descobriu a doença quando tinha 19 anos

Da Redação

Divulgação

Laura Neiva usou o Instagram para fazer um vídeo explicativo sobre uma doença que a acompanha desde os seus 19 anos de idade: a epilepsia. A atriz, que hoje tem 26 anos, conta que, desde que abriu o jogo sobre a sua condição, muitas pessoas mandam perguntas para ela e, por isso, decidiu fazer um vídeo de pouco mais de nove minutos.

Primeiro, a esposa de Chay Suede começou dizendo o seguinte:

- Eu descobri que era epilética quando eu tinha 19 anos [de idade] e eu tive a minha primeira convulsão. Eu estava em casa, fui levada para o hospital e fiz vários exames. Lá fui diagnosticada como epilética congênita, ou seja, eu nasci com a doença. Desde os meus 14 anos eu sentia esporadicamente uma sensação que era a seguinte: que eu saía do meu corpo, voltava, eu tinha vontade de correr, vinha uma sensação de medo muito forte e muito intensa, mas que durava segundos (...). Eu tentava falar isso para a mim mãe, eu não sabia explicar, minha mãe também não conseguia entender direito e eu fui relevando. (...) Passou um tempo, eu tive a convulsão. Eu relatei isso para um neurologista e ele me disse que isso se chama aura, que é o que pode anteceder uma convulsão, disse, acrescentando que a aura é uma espécie de aviso de que ela pode ter uma convulsão.

Ela continua:

- Eu por muito tempo tinha vergonha. Primeiro, de dizer que eu tinha uma doença. E eu tinha muita dificuldade, na época que eu descobri, de tomar remédio. Porque eu não achava possível que eu ia ter que tomar remédio, que o meu corpo não ia dar conta de lidar com isso sozinho, que eu ficar dependente de um remédio. E eu acabei deixando de tomar o remédio quando eu descobri. E as crises foram piorando e eu sofri. Tiveram alguns acidentes, até que aconteceu uma situação grave e eu percebi que o remédio estava ali para me ajudar, para me salvar e desde então eu tenho consciência dos riscos que eu posso colocar a minha vida.

Recentemente, ela engravidou e deu à luz Maria, e contou que a sua condição piorou durante a gestação:

- Estava tudo controlado até que chegou a minha gravidez. Eu nunca recebi uma contraindicação, nunca nem pensei que eu não poderia engravidar por conta da epilepsia. Mas eu sabia que durante a gravidez existem muitas mulheres epiléticas que melhoram as crises por conta da oscilação hormonal e isso pode melhorar. Muitas mulheres relatam isso. Mas têm algumas mulheres que relatam que pioraram - e esse foi o meu caso. Aumentaram muito as minhas crises de ausência [algo parecido com a aura] e as minhas convulsões, mesmo tomando a dosagem [de remédio] que eu costumava tomar. Então, na gravidez eu tive que aumentar a dosagem do meu remédio, tive que colocar um outro remédio junto (...). Como eu estava correndo risco, porque eu podia cair em qualquer lugar, podia me machucar, a gente preferiu adicionar outro remédio.

Assista ao vídeo completo logo abaixo:

A seguir, veja mais famosos que abriram o jogo sobre suas doenças:


Cynthia Nixon descobriu em 2007 que tinha câncer de mama, doença que já mostrava histórico em sua família. Ela manteve o tratamento em segredo, pois não queria paparazzi no hospital ou qualquer tipo de atenção da mídia. Já em fase de manutenção, no entanto, ela falou sobre como foi a descoberta para a ABC: - Eu me senti assustada. Pensei: Oh, não quero que isso aconteça. Estava ciente que se isso ia acontecer esse era o melhor jeito de acontecer. Encontramos cedo e podemos lidar com isso logo.

Deixe um comentário

Atenção! Os comentários do portal Estrelando são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook.

Enquete

Retrospectiva: qual famosa você acha que bombou mais em 2020?

Obrigado! Seu voto foi enviado.